Páginas

22 maio, 2015

Ellen DeGeneres e a desconstrução do binarismo de gênero

A questão é esteriótipo. A questão é binarismo. A questão é sexismo. A questão é social.
Nunca é polêmica até que se pare pra pensar no assunto. É inofensivo até que se perceba o quão forte é o poder das palavras. Nunca é nada, mas sempre vai existir a possibilidade de ser tudo.
Por mais que não pareça, vim hoje não para falar exatamente sobre binarismo ou focar em questões de gênero. Hoje o assunto é Ellen DeGeneres lacrando novamente.
Nossa sociedade é cheia de regras e costumes. Nós somos uma esponja, vivemos em meio a informação o tempo todo e absorvemos conteúdo continuadamente, sendo assim, algumas coisas nós crescemos aprendendo com nossa família, nossos amigos ou até mesmo na mídia. Estas coisas que absorvemos e esses regras que nos ditam nos acostumaram a normalmente identificar pessoas pela forma como elas se vestem. Sendo assim, vestido é uma roupa tipicamente feminina e camisetas ou moletons são tipicamente masculinos (a não ser que estas peças sejam modificadas pra que se adequem a serem femininas).
Ok, isso todos sabemos. Mas o que tem a ver a Ellen DeGeneres nisso?
Ellen DeGeneres não é só uma apresentadora e comediante divina, mas, agora, também é a idealizadora e dona da marca de roupas e objetos de decoração agênero "ED".
Uma das peças da marca ED: Foto: Getty Images
Em uma entrevista para o Refinery 29, Ellen contou que aposta em itens que fogem do binarismo de gênero. "Não é extremamente feminina, não é masculina, é apenas confortável." conta em um trecho.
É importante que esse pensamento se propague, que essa ideia se popularize. Estamos em pleno século XXI, sistemas de segurança hiper sensíveis a qualquer movimento, computadores e celulares cada vez mais finos e eficientes, encontramos resquícios de água em Marte, porém, ainda precisamos definir tudo em feminino e masculino. Será que evoluímos tanto assim?
Outras pessoas da mídia já falaram e lutaram por essa quebra de codificação de gênero, como foi o que aconteceu com Jaden Smith (filho de Will Smith) que postou em seu instagram mês passado uma foto sua de vestido e, batendo na mesma tecla que Ellen, colocou na legenda" Fui à TopShop comprar roupas de menina. Quer dizer, roupas.".
Sobre o nome da marca, DeGeneres conta que, além de ser seu nome, vem de um apelido que sua esposa lhe deu por um longo tempo, além disso ainda comenta "É também uma espécie de um nome sem gênero, porque eu não quero que seja o meu nome em tudo. Eu quero que seja um nome que qualquer um poderia usar.".
Em junho deste ano é previsto o lançamento de roupas que não definem gênero. Roupas que são pra todos. Homens, mulheres, trans. Todos.
Você pode encontrar todos os produtos à venda no site oficial clicando aqui.
É importante que essa desconstrução aconteça, é importante que consigamos construir um ambiente livre de preconceitos, um lugar onde todos sejam respeitados, que seja livre para todos e todos os gostos. É importante, também, que essa mudança parta de nós mesmos, devemos cada dia tentar desconstruir todos os costumes de normatividade que crescemos aprendemos, tudo isso para um mundo mais livre, para nós e para os outros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário